O novo papel das lideranças na era da transformação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Esse ano trabalhamos muito aqui na Futuremark o tema do engajamento. E hoje vou compartilhar com vocês alguns insights a respeito desse tema. 

Que as diferentes formas como os gestores se relacionam com suas equipes estão diretamente ligadas aos resultados, isso já é fato consumado. Os estilos de liderança determinam nosso comportamento em relação aos nossos liderados. Esse comportamento-padrão pode gerar produtividade, engajamento, coesão e integração ou prejudicar o trabalho, camaradagem, confiança e a cooperação do time. Logo, merece todo o cuidado e atenção.

Nos últimos tempos, estamos passando por muitas transformações – tecnologia, pandemia, consciência sobre a necessidade de lidar com a diversidade e inclusão, novas gerações no mercado de trabalho –  que faz com que precisemos entender qual é o nosso padrão e que mudanças precisam ser feitas diante de pessoas, responsabilidades e situações diferentes.

Eu sempre acho que a gente precisa começar entendendo a cultura da empresa e da equipe que vamos liderar. Os estilos de liderança seria então como uma roupa, e cada ocasião pedirá uma vestimenta.

Mas o que define um estilo de liderança, afinal?

Liderar é a habilidade de motivar e influenciar os liderados para que contribuam, voluntariamente, da melhor forma com os objetivos da equipe ou da organização. Segundo Idalberto Chiavenato, autor da “Introdução à Teoria Geral da Administração” o estilo de liderança é composto por traços da personalidade, comportamento e capacidade de adaptar-se as diferentes situações.

Mas é possível mudar meu estilo de liderar?

A transformação, obviamente, é difícil. Mas se hoje você ocupa uma posição de liderança, possivelmente é porque seus traços de personalidade já te direcionaram para esse caminho: seus atributos técnicos, intelectuais e sociais se relacionam bem com as suas responsabilidades. E voltando à teoria da roupa, você não precisa mudar quem você é, mas sim adequar seu comportamento frente às mudanças.

E qual é o melhor estilo de liderança?

Embora sejamos tentados a procurar uma fórmula mágica, quando tratamos sobre pessoas as questões são sempre complexas.

Mas vamos começar pensando quais são as principais características dos novos tempos que estamos vivendo: mudanças, questionamentos e inovações. 

Segundo uma pesquisa da Fundação Instituto da Administração(FIA BUSINESS SCHOOL), cerca de um entre cada três líderes das 100 melhores empresas para se trabalhar é reconhecido pelas seus liderados como inspirador: estabelece metas, mas dá liberdade para que as pessoas busquem atingi-las da forma que entendem como mais eficiente. Esse é um dos seus pontos fortes mais positivos. Também funciona bem também com equipes que são menos experientes e esperam ser conduzidas. Como desafio, suas performances são menos favoráveis quando a equipe que ele está conduzindo é mais experiente, ou melhor tecnicamente, que ele.

Mas o site Ekonomista trouxe logo após a pandemia um artigo muito interessante da Catarina Milheiro sobre os 5 novos estilos de liderança, diante de todas as mudanças que vivenciamos no pós pandemia. Particularmente, achei uma abordagem moderna e muito atual:

Liderança Transformacional: um líder que se foca principalmente no ser humano e que não tem medo de enfrentar riscos. Diz-se transformacional porque altera a visão das pessoas à sua volta. Para além de incentivar a criatividade da sua equipe, acredita nela, sabe como a motivar e de que forma a deve recompensar.
Este é um dos estilos de liderança que deve ser aplicado quando a empresa sente a necessidade de estimular as suas equipes a procurarem novas ideias, aumentando a produtividade e a criatividade.

Liderança transcultural: um líder que é culturalmente consciente. Isto é, que tem a capacidade de comunicar de forma rápida e eficaz e que é capaz de compreender a forma e essência das várias culturas. Indicado para empresas que contam com profissionais de várias partes do mundo ou que tem equipes trabalhando remotamente.

Liderança ágil: é aquele que consegue otimizar os processos da empresa de maneira a que consiga tomar decisões rápidas, evitando que a sua equipe se disperse ou se concentre apenas numa tarefa, num momento de tantos novos projetos simultâneos.

Liderança disruptiva: é o líder impulsiona a mudança na empresa. De uma forma geral, um líder disruptivo é aquele que é reconhecido pela sua atitude crítica e por nunca se contentar com os modelos tradicionais já estabelecidos. Este tipo de líder pode, muitas vezes, ser questionado pelos colegas e até mesmo ter de lidar com ambientes adversos. Por isso, tem geralmente 2 desafios:
– Substituir uma hierarquia mais rígida por estruturas organizacionais mais flexíveis;
– Substituir a segurança pela experimentação.

E como eu posso identificar meu estilo, se não recebo feedbacks?

Primeiro, você é líder. Então, lembre-se: saber ouvir e interagir com pessoas é um dos aspectos que definem um bom líder. Então, peça feedback! Da sua equipe, do seu chefe, dos colegas de outras áreas. Quanto mais você ouvir, mais irá ter subsídios para sua autoreflexão.

Segundo, recorra a uma ferramenta. No site https://www.16personalities.com/free-personality-test você encontra um teste gratuito da Teoria MBTI, de Jung. É uma ajudinha para seu exercício de autoconhecimento.

E por fim, estude! Faça benchmark, leia, observe comportamentos, estabeleça objetivos e busque referências. Por exemplo, eu quero ser um líder mais inspirador. Quem são as referências de lideranças inspiradoras que você conhece e admira? Quais são os comportamentos que essa liderança tem? Como você pode se equiparar?

E o comando e controle, Valquíria?

Na minha opinião a liderança baseada no comando e controle, já era, faz tempo. Para quem não é familiarizado com o termo o estilo de liderança comando e controle é baseado no estabelecimento e manutenção de poder e controle de pessoas e processos organizacionais, é executado de forma vertical, quem está na parte de cima da hierarquia de gestão ordena e quem está na parte de baixo obedece, sem questionamentos.

Isso não quer dizer que os novos estilos de liderança não podem “dar ordens”. Existem momentos que a liderança precisa exercer a gestão, principalmente quando não há consenso entre a equipe. Vamos por aqui! Ou quando os caminhos escolhidos não estão dando certo. Mas essa decisão virá sempre depois de ter ouvido o time, em qualquer um dos estilos que você venha a adotar.

Gostou so artigo?

Além de livros, vídeos você pode participar de eventos e treinamentos. Nós temos pelo menos três oportunidades para te oferecer:

  • No blog da futuremark você encontra vários outros artigos meus sobre gestão e liderança. Basta acessar https://futuremark.com.br/blog e acompanhar. Ou seguir a gente nas redes sociais, onde sempre compartilhamos artigos novos, as quartas feiras.
  • Se gosta de receber no e-mail, pode assinar a newsletter Transformação Digital no Linkedin e receber no seu email um artigo toda semana (fica aí o link para facilitar: https://www.linkedin.com/newsletters/transforma%25C3%25A7%25C3%25A3o-digital-da-venda-6916899493422473216/). Também mantenho um grupo de WhatsApp, específico para troca de ideias entre gestores de vendas por canais digitais. Se você quer fazer parte, pode responder esse e-mails.
  • E por fim, temos nossos eventos: 

Esse ano o tema da Liderança estará na palestra de abertura do Evolution 4.0, com a treinadora Samy Flach que é uma das profissionais que vem atuando junto com nosso time, aqui na Futuremark.  A Samy é Master em PNL – Hipnoterapeuta – Consteladora Sistêmica – Analista Comportamental – DiSC®. Consultora do Programa Empreender da Federasul, sócia do Instituto de Desenvolvimento em Coaching, cofundadora do Instituto Mulher, presidente da AME, diretora da ACIGRA – CDL Gravataí, conselheira do COMDIMGRA e membro do Partners of America. Tem mais de 16 anos de experiência como gestora na indústria, 9 anos como empreendedora no varejo e há mais de 5 anos auxiliando empresários, líderes e equipes na conquista de seus objetivos. Também dedica -se ao desenvolvimento de mulheres, através do voluntariado e do Instituto Mulher, onde oferece cursos, treinamentos e capacitações com foco no gênero feminino.

Painel sobre engajamento: as consultoras da Futuremark irão compartilhar o resultado dos estudos que temos feito sobre o tema e nossa evolução.

Lembrando que você pode participar do presencial, que será em Porto Alegre/RS, na Fecomércio, ou acompanhar on line em tempo real, gravado, pela plataforma Hybri.

Vai ser dia 17 de agosto… Se você quer se desenvolver como liderança na era da transformação, não pode deixar passar esta oportunidade!

Confira mais no link https://futuremark.com.br/evolution-4-0/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Como posso te ajudar?